terça-feira, 17 de junho de 2014

Os Frutos do Espírito

“Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito” (Gl.5:25)
Reflexão sobre o Tema

Não somos capazes, por mérito próprio a termos uma vida correta e digna. Também não conseguimos por nós mesmos, manifestarmos sentimentos nobres senão pela atuação do Espírito Santo. O homem natural não consegue gerar e manifestar frutos dignos de louvor, sem a ação divina em seus pensamentos e emoções. A natureza humana, em sua constituição, é diretamente afetada pelo pecado, e só a presença do Senhor no coração do homem pode reverter o curso normal das inclinações pecaminosas.

O Fruto do Espírito Santo é a manifestação das virtudes divinas em nosso caráter, influenciando diretamente nosso relacionamento com Deus, com o próximo e nossa vida particular. Uma pessoa alcançada pela salvação revela o poder transformador do Evangelho em ações que exaltem o Pai Celestial diante da sociedade, glorificam a pessoa de Cristo e comprovam o domínio do Espírito Santo em seu coração (Mt 5.16).

A vida Cristã é uma batalha entre as obras da natureza pecaminosa e o Fruto do Espírito Santo. Como seres mortais, ainda estamos sujeitos a um corpo que deseja coisas pecaminosas, porque a presença de Deus não aniquila a carne e suas paixões (Rm 7.14-25). Contudo, temos o Espírito Santo produzindo em nós o Seu Fruto, nos dando o poder que necessitamos para vencer as tentações produzidas pela lei do pecado que em nós habita (2 Co 5.17; Fil.4.13) até recebermos um corpo glorioso e incorruptível (1 Cor. 15:49). 

PLANO DE AULA

Tema: Os Frutos do Espírito

Texto Base:  Gálatas 5:22-25

Versículo para memorizar:  “Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito” (Gl.5:25).

Objetivos

Ensinar às crianças que da obediência a Deus nasce uma árvore que, regada pelo Espírito Santo todos os dias produz bons frutos.

Introdução

O novo nascimento garante ao crente a presença do Espírito Santo que se torna um grande amigo e conselheiro no processo de restauração. Os frutos do Espírito Santo, aos poucos, vão delineando o novo caráter do crente. Esse processo de crescimento começa  pela meditação da Palavra de Deus que nos fortalece, edifica e ensina e pela oração que nos liga ao criador.  

Procedimento

1º Momento - Utilizar a ilustração de uma árvore  e seus ramos, confome ilustração bíblica (Jo 15.1-17). Deixar claro que a árvore (videira) é Jesus (v.5) e que os galhos somos nós. Há galhos que não produzem frutos (v.2) e, por isso, são arrancados da árvore, porque o propósito da árvore é produzir frutos. Os ramos que não permanecem na árvore secam e morrem e logo, são lançados no fogo para serem queimados (v.4). Longe da árvore, o galho seca e morre. Os galhos que produzem frutos são podados e limpos. A poda, espiritualmente falando, refere-se ao processo de  santificação (2Ts 2.13) do crente. A poda espiritual desenvolve uma maior evidência da natureza de Cristo, levando-nos ao estado de maturidade cristã.

2º Momento - Colocar sobre a árvore, alternadamente, as ilustrações dos frutos do Espírito.

3º MomentoExplicar  o significado de cada um dos frutos do Espírito Santo , deixando que as crianças interajam emitindo o seu entendimento antes e após a explicação, a fim de  verificar o seu entendimento.

4º MomentoExposição do tema com roteiro de estudo bíblico, explicando as várias fases do desenvolvimento da nova criatura em Cristo Jesus.

Subsídio para o evangelizador

Novas Criaturas em Cristo Jesus – (Contação de História)

Ao aceitarmos a Jesus, começa uma nova etapa em nossas vidas. Temos que abandonar a vida de pecado e mudarmos a direção de nossas vidas, nos opondo relutantemente às obras da carne (Rm 8.6-8; Gl 5.17,21).

Esse processo não é  tarefa fácil e por isso, Deus nos concedeu o Espírito Santo que nos auxilia em nossas fraquezas (Gl 5:18) e derrama sobre nós os seus frutos (Gl 5.22-23), a fim de assimilarmos a mente de Cristo (1 Co 2.15-16) e nos tornarmos, verdadeiramente, novas Criaturas (2 Co.5:17).

O Pão que Alimenta a Alma e Fortalece o Espírito

Para resistirmos às investidas de Satanás (Ef 6.10-17), que vai tentar o tempo todo nos tirar da presença do Senhor, temos que estar inseridos, primeiramente,  no corpo de Cristo (1 Co 12.12-31), nos alimentando da Palavra de Deus (Mt 4.4) e meditando nela, dia e noite, (Js 6.8-9) - conforme o Senhor orientou a Josué . A fim de  nos fortalecermos e não tropeçarmos no engano (Ef 4.14). A oração e o cumprimento dos mandamentos de Deus resultam numa estreita comunhão (Jo 14.15) com o nosso Criador e esses ingredientes favorecem o crescimento e desenvolvimento da maturidade cristã.

Condições para Produzir Frutos

Há pelo menos três condições, conforme vimos, para que ocorra uma colheita abundante de frutos espirituais:

  • Sermos podados pelo Pai – “ Filho meu, não menosprezes a correção que vem do Senhor, nem desmaies quando por ele és reprovado; porque o Senhor corrige a quem ama e açoita a todo filho a quem recebe” (Hb 12.5,6) . Passar pela poda, portanto, é  nos submetermos à ação do Espírito Santo e permitirmos a correção necessária que nos purificará e nos levará à santificação (1 Ts 5.23; Hb 12.10-14).

  • Permanecer em Cristo – “...permanecei em mim e eu permanecerei em vós” (Jo 15.4). Permanecer refere-se a posição em relação à Cristo, ou seja, à comunhão com Ele (Ef 2.6). Precisamos estar em Cristo da mesa forma que o ramo deve estar na videira. “Se alguém está enxertado em Cristo, nova criatura é” (2 Co5.17). A idéia de estar “enxertado” indica uma ligação muito profunda. Esta, portanto deve ser a ligação do crente com Cristo para que possa se tornar frutífero.

  • Cristo em nós – “...e eu permanecerei em vós (Jo.15.4). Diz respeito à nossa frutificação, ou semelhança com Cristo. Isso somente se dará quando atingirmos a maturidade cristã e o caráter de Cristo estiver refletido em nós. Quem permanece em Cristo deve andar como Ele andou e isso só é possível através do Espírito Santo. Cristo é a seiva que mantém os ramos vivos e os torna frutíferos.

A Carne Milita Contra o Espírito

Paulo, nesta epístola descreve quais são os frutos da carne (Gl 5.19-21) e quais os do espírito (v.22). Adverte que uma milita contra a outra, se opondo entre si (v.17). Reforça o entendimento  a todos que são nascidos em Cristo, que todas as paixões que nos escravizavam foram  crucificadas com Ele (v.24).

Frutos da Carne

Paulo nos oferece uma lista enorme do que considera frutos da carne as quais  “são: prostituição, impurezas, lascívia,  idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias (Gl 5.19,20)

Frutos do Espírito

Somos inclinados para o pecado e, portanto, embora libertos por Cristo, encontramos grandes dificuldades para nos libertar das vicissitudes e dos atavismos que entulhamos em nossos corações. A presença do Espírito Santo é a água purificadora que nos lava e purifica dia após dia de toda imundície  (Is 4.4a).

As mudanças, efetivamente só ocorrem mediante intervenção do Espírito Santo que atua diretamente em nossos corações. É ele quem nos ensina a compreender a mensagem de Deus e jorra em nossos  corações a água viva que faz brotar a seu turno os seus  frutos.

Os frutos do Espírito Santo são: “Caridade (amor), Alegria, Paz, Longanimidade (paciência), Benignidade (amabilidade), Bondade, Fidelidade (fé), Mansidão (humildade), Temperança e Domínio Próprio” (vv. 22).

·          Caridade -  “Caridade é a manifestação do amor. O amor é paciente , é bondoso, não tem inveja, não é orgulhoso, não busca seus próprios interesses, não guarda rancor [...], tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta; não suspeita mal.” ( 1Co. 13:4-7). O amor é a dimensão mais importante do fruto espiritual, tanto que Jesus disse: “Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros. E nisso conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros” (Jo.13.34,35)

·       Alegria -  “A alegria do Senhor é a nossa força.” (Ne.8:10). Trata-se nesse caso, de uma alegria que independe de circunstância ou sentimentos, é um dom de Deus. A palavra alegria, nesse caso deriva do grego chara que significa uma alegria que não depende de circunstâncias, mas sim do relacionamento com Deus:”...o meus espírito se alegrou em Deus, meu Salvador (Lc.1.47). Assim, podemos experimentar a alegria em meio às adversidades, porque a Palavra nos consola: “os que semeiam em lágrimas, colherão com alegria” (Sl,126:5) e completa ainda dizendo que  “a vossa tristeza se converterá em  alegria (Jo.16:20b).

·     PazTrata-se de uma paz que excede todo entendimento humano porque vai além das circunstâncias. É uma paz que só Jesus pode dar: “Deixo-vos a paz, dou-vos a minha paz. Não vo-la dou como o mundo a dá”. (Jo 14.27a). A paz, outorgada pelo Espírito Santo é um estado de extrema tranquilidade ou quietude porque sabemos que Deus é o autor da Paz e nEle colocamos todas as nossas aflições  e podemos encontrar nEle a perfeita paz e descanso: “Tu és o meu refúgio e fortaleza...” (Sl.91). Temos a certeza de que Ele suprirá todas as nossas necessidades (Fp.4.19) e por isso descansamos.

·       Longanimidade - É a qualidade dada por Deus que faz o homem ser paciente até na provação, é a perseverança. No livro de Provérbios encontramos a seguinte citação que nos diz: "Melhor é o longânimo do que o valente, e o que governa o seu espírito do que o toma uma cidade" (Pv.16.32). Esse termo sugere tolerância que suporta injurias e aceita situações de irritação ou dor. Nisso, cabe bem a orientação de Tiago que nos diz: "Sabeis estas coisas, meus amados irmãos. Todo homem, pois, seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar. Porque a ira do homem não produz a justiça de Deus. (Tg.1.19,20).

·    Benignidade - É a disposição em ser bondoso com o próximo. Significa excelência de caráter, pensar bem a respeito das pessoas (daí o fato de estar ligada com o julgar). Ser benigno significa também ser flexível. Deus não quer que sejamos demasiadamente exigentes para com os outros, senão para conosco mesmo. Bondade é a ação de ser bom, gentil e reto  com o próximo. A benignidade é o desejo pelo bem, a ausência de más intenções, a busca pelo bem estar de nossos semelhantes. A manifestação deste sentimento nobre no interior de um cristão o impede de desejar o mal a alguém, ainda que este tenha cometido graves erros (I Co 13.4). “Quando eu disse: O meu pé vacila; a tua benignidade, SENHOR, me susteve” (Sl 94.18).

·         Bondade A bondade e a benignidade se distinguem por uma linha tão tênue que quase não dá para se perceber a diferença ou complementação uma da outra já que existe, senão, não seriam denominadas diferentemente. Se por um lado a benignidade é a manifestação de um caráter cordial que atraí o ser humano, por outro lado, a bondade, põe em prática, coloca em ação o ato de entrega para com os outros. A palavra "bom" no entender da Escritura significa literalmente "ser como Deus", porque Ele é o único que é perfeitamente bom. Uma coisa é ter padrões éticos elevados, outra coisa é a bondade que o Espírito Santo produz, que tem suas raízes em Deus. É fazer o bem a partir de um coração bom, é agradar a Deus sem esperar medalhas ou recompensas. Cristo quer que este tipo de bondade seja o normal em cada cristão.

·         Fé (Fidelidade) Fidelidade é a qualidade de quem possui fé. A fé que não conduz o crente à fidelidade, não tem valor nenhuma para a prática na vida cristã, portanto é uma fé morta (Tg 2.14-26). Esta virtude baseia-se no nosso crer em Deus e na confiança profunda e permanente de que Ele nos sustentará em todas as circunstâncias da vida (Mt 17.20; 23.23; Mc 9.23; Lc 17.6; Romanos 1.17/ 1 Timóteo 6.12/ 2 Timóteo 4.7/ Hebreus 6.1; 10.38,39; 11.1/ 1 Jo 5.1-5).A fé viva impede-nos de sermos vencidos pelas provações (2 Co 4.13). É por meio da fé que Deus move o sobrenatural em nossas vidas, tanto é importante no relacionamento com Deus que a Bíblia diz que “Sem ela, é impossível agradar a Deus “(Hb 11.6a).

·    Mansidão - É uma virtude amorosa, pela qual nos conservamos pacíficos, com serenidade e brandura, sem alterações, quando nos confrontamos com coisas desagradáveis. É a capacidade de dominar  os próprios impulsos diante de situações adversas.  Ser manso e pacífico  é ter a capacidade de se controlar diante daquilo que nos irrita; é aquele capaz de perder uma discussão, sem se exasperar; é aquele capaz de discutir um assunto sem perder a calma; é aquele capaz de ser livre do espírito de vingança, mesmo diante da provação. Mansidão é a força sendo dominada. Moisés e Jesus eram mansos (Nm. 12.3; Mt.11.29), mas mostravam força para enfrentar as autoridades poderosas de seu tempo e condenar claramente seus pecados (Êx.32.19,20; Mt. 23.1-12). Portanto, nós cristãos temos que buscar a sabedoria de Deus para agirmos com mansidão (Tg3.13).

·      Temperança (Domínio Próprio)É a  autodisciplina, o autocontrole. É a  capacidade de ser moderado, de dominar o ego e controlar a si próprio. A temperança implica dominar as paixões sensuais e moderar os hábitos diários, ao invés de satisfazer os próprios desejos (2 Tm 1.7). O domínio próprio é o controle que o cristão exerce sobre sua vida (Tiago 3.2). É a autodisciplina sobre suas palavras e atos.

Como Desenvolver estes Frutos?

Estes frutos só podem ser desenvolvidos à medida que nos dispomos a seguir as orientações do Espírito Santo, abandonando a carne e vivendo no espírito (Gl 5.18). A esse respeito, Paulo nos exorta dizendo: “andai em Espírito” (v.16a), ou seja, trata-se nesse caso de uma luta que exige de nós uma atitude firme de renúncia ao pecado e disposição para assimilarmos as mudanças que o Espírito Santo quer operar em nós. Sozinhos não teremos vitória sobre as nossas vicissitudes, precisamos reconhecer as nossas fraquezas e nos entregarmos a doce ação do Espírito Santo. Nós nos preocupamos demasiadamente com os dons espirituais e negligenciamos os frutos do Espírito. Ambos devem caminhar juntos  

Conclusão

Nós, cristãos, devemos nos espelhar em Jesus que é o modelo perfeito de todas as virtudes. Abandonar a “velha criatura” não é tarefa fácil, precisamos da ajuda do Espírito Santo para nos conduzir por um novo e vivo caminho. Esse caminho passa pela luz do entendimento que vem através do conhecimento da Palavra de Deus. Paulo nos orienta “não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus” (Rm 12.2). Só poderemos compreender a vontade de Deus através do estudo das Escrituras Sagradas. O nosso coração é um campo fértil onde a Palavra de Deus é semeada. À medida que o Espírito Santo vai regando, começa a brotar os frutos. A Palavra de Deus nos diz que “Toda árvore boa dá bons frutos” (Mt 7.15-20). 


4 comentários:

  1. parabens! otimo trabalho ! acrescentou muito no meu trabalho com as crianças.Obrigado !

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado me ajudou muito com o trabalho com as crianças, parabéns! valeu!!

    ResponderExcluir
  3. Tá de parabéns! Maravilhoso seu trabalho! Deus continue lhe usando e acrescentando mais em seu ministério!

    ResponderExcluir