domingo, 23 de agosto de 2015

DAVI - Um Coração Quebrantado Diante de Deus

“A um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus” (Sl 51.17b)

Introdução

Neste Salmo, vemos um homem se lamentando e chorando por causa do peso do pecado que caiu sobre si. Outrora víamos um homem valente e corajoso, cheio da unção de Deus, capaz de enfrentar as feras selvagens e até mesmo um gigante, que trouxe grandes vitórias para Israel e que era um homem segundo o coração de Deus, mas nesse momento, encontrava-se aflito, angustiado, diante do maior problema de sua vida, o medo de perder a salvação. Ele escreve este salmo, chorando, experimentando o cálice amargo do arrependimento. 

Contexto em que o Salmo foi escrito
Davi foi escolhido por Deus para conduzir o povo de Israel, para ser um grande rei, um líder e chefe militar para guerrear as pelejas contra os inimigos do reino. O Espírito Santo de Deus era com Ele e por isso era vitorioso em suas batalhas, Porém, passado algum tempo, Davi perdeu o foco, se acomodou, e enquanto a nação estava em guerra, ao invés de estar junto com seus soldados no campo de batalhas, ele estava na zona de conforto em seu palácio dando ocasião para o inimigo agir em sua vida. 


Durante este período de inatividade, passeando pelo terraço de seu suntuoso palácio, o inimigo lançou sobre ele a tentação. Ele não vigiou o que havia por detrás da oferta e cedeu às concupiscências da carne. Uma mentira leva a outra mentira, um pecado arrasta a outro pecado e assim, Davi tornou-se refém de uma situação. Tentou dissimular o quadro para que aos olhos de todos continuasse tendo credibilidade. Com o passar dos tempos, foi se acomodando na posição confortável das aparências porque supunha que ninguém jamais desconfiaria da trama armada por ele.


Aplicação: Quantas pessoas são abençoadas por Deus grandemente, mas ao invés de retribuírem com o trabalho na Obra de Deus, permanecem como Davi, buscando distração. Muitas vezes arrumam tempo pra ficarem na Internet horas e horas, mas não têm tempo pra meditar na Palavra de Deus, de ter uma vida devocional, de dedicar tempo à Obra. Ficam de lá pra cá, na ociosidade perigosa. E o inimigo então, aproveitando-se da falta de vigilância, entra em ação. Quando se percebe o que está acontecendo, armadilha já foi preparada e muitas vezes, já é tarde demais, porque o crente que não vigia cai mesmo. 


Em meio à guerra, não se deve descansar nem baixar a guarda. Vigia crente, não dá lugar para a tentação do maligno! Dedique seu tempo a Deus, faça a Obra do Senhor. Não podemos ser negligente com a nossa vida espiritual. Enquanto alguns estão distraídos ou na inércia, suas famílias estão sendo atacadas e destruídas, sua vida está em perigo, sua vinha está sendo saqueada.


Somente quando o mal já está instaurado é que se percebe ou se dá conta do que está acontecendo. E ainda assim, há os que omitem a própria responsabilidade e questionam Deus sobre o motivo do estrago em suas vidas. Deus não tem nada a ver com a sua omissão, com a sua negligência e com as consequência dos seus atos. 


Em tempos de guerra, temos que vigiar mais, nos revestir mais com as armaduras de Deus, buscar mais a sua presença e colocarmos as mãos no arado. Por tudo isso, amados, nunca parem de lutar, não vacilem, lutem, “sujeitai-vos, pois, a Deus, resisti ao diabo, e ele fugirá de vós” (Tg 4.7). Sujeitar-se a Deus é estar debaixo da obediência de Deus, de resistir às tentações e permanecer fiel, “portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor” (1Co 15.58).

O Deus Onipresente Envia Natã – 2 Sm 12.1-1


Diante da trama que envolvia o rei, a Bíblia declara que isso “pareceu mal aos olhos do SENHOR” (2Sm 11.26c). Depois disso, enviou Deus até Davi o profeta Natã, a fim de repreendê-lo. O profeta contou uma Parábola a fim de despertar sua consciência adormecida:


E o SENHOR enviou Natã a Davi; e, apresentando-se ele a Davi, disse-lhe: Havia numa cidade dois homens, um rico e outro pobre. O rico possuía muitíssimas ovelhas e vacas. Mas o pobre não tinha coisa nenhuma, senão uma pequena cordeira que comprara e criara; e ela tinha crescido com ele e com seus filhos; do seu bocado comia, e do seu copo bebia, e dormia em seu regaço, e a tinha como filha. E, vindo um viajante ao homem rico, deixou este de tomar das suas ovelhas e das suas vacas para assar para o viajante que viera a ele; e tomou a cordeira do homem pobre, e a preparou para o homem que viera a ele. Então o furor de Davi se acendeu em grande maneira contra aquele homem, e disse a Natã: Vive o Senhor, que digno de morte é o homem que fez isso. E pela cordeira tornará a dar o quadruplicado, porque fez tal coisa, e porque não se compadeceu. Então disse Natã a Davi: Tu és este homem. (2Sm 12.1-7).


Note que o senso de justiça de Davi estava bem apurado no que se referia aos outros, mas não consigo mesmo, não com relação aos seus próprios atos. Porém, vendo-se a descoberto Davi se desespera e declara: “Pequei contra o Senhor”(2 Sm 12.13). Diante de Deus não há como nos esconder, não há justificativas vãs para nossos atos insanos. Davi percebeu que não lhe restava outra saída, senão, reconhecer-se como pecador. 

Natã profere o Juízo de Deus à Casa de Davi – 2 Cr 12.10-12


Quando Davi reconheceu seus erros e se arrependeu, Natã lhe disse “O SENHOR perdoou o teu pecado; não morrerás” (2Sm 12.13b). No entanto, a sua justiça seria aplicada e ele teria que enfrentar as consequências de seus atos.


Agora pois, não se apartará a espada da tua casa, porquanto me desprezaste; Eis que suscitarei da tua casa o mal sobre ti e tomarei tuas mulheres perante os teus olhos e as darei a teu próximo, o qual se deitará com tuas mulheres perante este sol; Porque tu fizeste em oculto, mas eu farei este negócio perante todo Israel e perante o sol (2Sm 12.10-12).


Depois disso, grandes tragédias se abatem sobre a vida do ungido do SENHOR, envolvendo seus filhos, trazendo-lhe muitas tristezas ao coração. O filho que teve com Bate-Seba adoeceu e morreu em sete dias (2Sm 12.15,18, apesar do apelo de Davi ao SENHOR (V 16). Tempos depois, seu filho Absalão, assassinaria seu próprio irmão Amnom, como vingança, por ter este violado a irmã deles, Tamar (2Sm 13.1-36). Revoltado com a omissão do seu pai Davi diante de tal situação, Absalão tornou-se oponente ao governo de seu pai (2Sm 18.14,15), promovendo uma rebelião para destituí-lo do poder e assumir o controle da nação. Em seus devaneios, cheios de ódio, Absalão deitou-se com as concubinas de seu pai (2Sm 16.20-23). Davi enfrentou em tal situação grande angústia, tendo que fugir da fúria do próprio filho (Sl 3) que foi morto por Joabe, oficial do exército de Davi em batalha. Somente com a morte de seu filho, Davi teve seu reino restituído e pôde voltar para sua casa (2Sm 19.11-15). Tudo isso fora dito a Davi como sentença do juízo divino. E assim aconteceu.

Então podemos concluir que Deus faz o mal ?
O texto do profeta Isaías nos informa o que o próprio Deus diz a esse respeito: “Eu formo a luz, e crio as trevas; eu faço a paz, e crio o mal; eu, o Senhor, faço todas estas coisas” ( Is 45.7).


O mal aqui não se compara às atitudes humanas de vingança, mas da aplicação da justiça divina diante de transgressões graves à sua Lei. Deus é soberano e governa com justiça. Mas mesmo assim Ele é misericordioso e concede ao pecador muitas oportunidades ao arrependimento. No entanto, Davi era conhecedor de Sua Lei e seu pecado foi deliberado, foi consciente. Ele sabia o que estava sabendo e podendo evitar o mal não o fez. A quem muito é dado, muito será cobrado. Portanto, mesmo se arrependendo, ele teve que arcar com o prejuízo e colher os frutos de seu pecado. 

A Lei da Semeadura


“Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará; v 8 Porque o que semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas o que semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna” (Gl 6.7,8).


Por causa de suas transgressões, Davi sofreu as consequências até o final de sua vida, na sua família e no reino (2 Sm 12.1-14). Os momentos de prazer custaram-lhe muitas lágrimas e muito sofrimento. 


Aplicação: As terríveis consequências do pecado de Davi, mesmo depois de sincera confissão de arrependimento, devem suscitar em todos os filhos de Deus um santo temor de pecar deliberadamente, pois que isso é franca rebelião contra Deus e o Projeto de Redenção provida por meio de Jesus Cristo. 


Davi Foi Privado da Comunhão com Deus – Sl 51.11
“Não me lances fora da tua presença e não retires de mim o teu Espírito Santo”

O pecado de adultério foi cometido voluntariamente por um homem que conhecia a Palavra e por conta disso, perdeu a comunhão com Deus. Ele infringiu pelo menos dois mandamentos: “não matarás e não adulterarás” e por isso, o seu pecado era, antes de tudo, contra Deus. Sabedor de que era transgressor Lei e temendo perder a própria salvação, sabendo que a justiça divina seria aplicada, clama desesperado para que o Espírito Santo se ausentasse dele.

Davi Apela para a Misericórdia de Deus – Sl 51.1


Davi se abate profundamente e clama pelas misericórdias de Deus. Assim como ele, todos os que carregam o peso do sentimento de culpa pelas inúmeras transgressões à Lei de Deus, podem clamar e obter perdão, purificação e restauração diante de Deus.

Deus não resiste a um coração contrito – Sl 51-17
“A um coração quebrantado e contrito não desprezarás ó Deus”

Deus nos mostra, por meio dessa passagem, que os olhos Dele não estão voltados para as nossas atitudes externas, como o sacrifício de animais, mas sim, para a intenção do nosso coração. Ele não está interessado em gestos e rituais vazios. Ao contrário, Ele quer um coração contrito e quebrantado (Sm 51:17), um coração sincero diante Dele. Ele não resiste a um coração quebrantado e triste pelas suas iniquidades.

A súplica de Davi baseia-se na graça, misericórdia, benignidade e compaixão de Deus
Davi se reconhece a sua culpa e se arrepende - Sl 51.3

“Porque eu conheço as minhas transgressões e o meu pecado está sempre diante de mim; Contra ti, contra ti somente pequei, e fiz o que a teus olhos é mal, para que sejas justificado quando falares e puro quando julgares; Eis que em iniquidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe” (Sl 51.3-5).


Quando Davi se depara consigo mesmo, não se omite diante da própria culpa. Não joga a culpa em ninguém e nem nas circunstâncias. Não foi culpa de ninguém a não ser da sua condição de pecador que não vigiou. Ele assume as suas falhas e se humilha diante de Deus para obter o Seu perdão.
Apelo de Davi diante de Deus:

a) Purificação, santidade - v .7- “Purifica-me com hissopo e ficarei puro; lava-me e ficarei mais alvo do que a neve”

b) Perdão divino - v. 9 - “Esconde a tua face dos meus pecados, e apaga todas as minhas iniquidades”

c) Renovação – v. 10 - “Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto”.

d) Restauração da Comunhão –v.11 – “Não me lances fora da tua presença, e não retires de mim o teu Espírito Santo”.

e) Espírito voluntário -v.12,13 – Disposição para servir – “Torna a dar-me a alegria da tua salvação, e sustém-me com um espírito voluntário; Então ensinarei aos transgressores os teus caminhos, e os pecadores a ti se converterão

f) Adoração – v. 15 - Abre, Senhor, os meus lábios, e a minha boca entoará o teu louvor”


Davi pediu a Deus um coração renovado, transformado, que sente a alegria da salvação, que rejeita a iniquidade e que esteja disposto a obedecer. Essa é a disposição que todos nós cristãos temos que ter. Deus requer de todos nós uma vida reta diante de seus olhos, um espírito voluntário que esteja disposto a servir na Obra com alegria, que não vacile diante da luta mas que persevere na certeza da vitória. 

Conclusão

O presente estudo do Salmo 51 nos ensina que Deus não se agrada com uma vida de aparências, mas de uma vida reta diante de seus olhos. Não adianta ser um crente respeitado por todos, ter uma vida confortável e um coração corrompido, manchado pelo pecado. Deus não se deixa escarnecer e não toma o culpado por inocente. O pecado nos separa da comunhão com Deus e coloca em risco a salvação em Cristo. Não há nada de que tenhamos que nos alegrar mais do que o fato de que o nosso nome está escrito no livro da vida. Mas Davi vacilou e colocou em risco a sua salvação. Assim também acontece com muitos crentes que não vigiam. Mas o texto nos ensina que as misericórdias de Deus são a razão de não sermos consumidos. Ele não resiste a um coração quebrantado e contrito e suas mãos não estão encolhidas para nos socorrer. Davi não se escondeu detrás de justificativas para dissimular os seus erros, ao contrário, desnudou-se diante do SENHOR e assumiu a sua culpa e a sua condição de pecador e por isso alcançou o seu perdão. A Bíblia nos ensina que por mais que os nossos pecados sejam como a escarlate, ele torna branco como a neve. Há perdão de Deus para todo o que se arrepende e o buscam de todo coração.

Sonia Oliveira


Veja aqui alguns dos Estudos disponíveis no Arquivo do blog:
  1. Samuel - Resposta ao chamado de Deus
  2. Juizes - Período Teocrático 
  3. Sansão - Exemplo de Imaturidade 
  4. Gideão - Um Homem Revestido de Poder 
  5. Abimeleque - Ambição Sem Limites 
  6. José do Egito 
  7. Josué e Calebe - Enfrentando o Gigante do Medo 
  8. Josué - A Derrota de Ai 
  9. Palavra de Deus - Uma Mensagem Transformadora 
  10. Evangelizar é Preciso! 
  11. A Vontade Soberana de Deus 
  12. O Espírito Santo a Terceira Pessoa da Trindade 
  13. Páscoa Cristã 
  14. Dons Espirituais 
  15. Missões com Excelência - A boa semente
  16. É Tempo de Despertar 
  17. Epístola aos Filipenses
  18. Virando as Costas para Deus
  19. A Oração de Habacuque
  20. Os Frutos do Espirito
  21. Jabez a Oração que Mudou uma Historia
  22. Os Escolhidos de Deus
  23. Compromisso com Deus
  24. Compromisso com a Verdade
  25. A Familia sob Ataque
  26. Ageu a Reconstrucao do Templo
  27. Jonas a misericordia de Deus

Nenhum comentário:

Postar um comentário