terça-feira, 27 de outubro de 2015

Como ser Forte nos Momentos de Fraqueza

“Porque quando sou fraco, então é que sou forte” (2 Co 12.10b)

Introdução

O apóstolo Paulo descreve uma experiência sobrenatural de arrebatamento que ele teve, provavelmente, no início de sua caminhada onde ali ouviu revelações que descreve como inefáveis e que ao homem nem é lícito saber (v 4). Essas revelações, certamente o fortaleceram espiritualmente, a ponto de ele suportar todos os sofrimentos que lhe sobrevieram no decorrer de seu ministério apostólico. Por isso, considero de suma importância meditarmos neste texto a fim de aprendermos com este grande arauto do Evangelho  algumas verdades que, certamente, irão nos ajudar a lidar melhor com o sofrimento.

I - Espinho na carne

E, para que não me exaltasse pelas excelências das revelações, foi-me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás, para me esbofetear a fim de não me exaltar” (v 7)

Paulo fala sobre uma debilidade que ele chamou de “espinho na carne”, o que nos remete a ideia de dor, aflição, sofrimento, de humilhação ou de enfermidade, não se sabe. O fato é que ele mesmo reconhece que essa situação era para que ele não se exaltasse e se lembrasse  sempre da sua dependência de Deus. Quando ele diz: “foi me dado..” isso nos leva a crer que se tratava de uma situação permitida por Deus para que não se orgulhasse pelo  fato de ter recebido as revelações tão indescritíveis. 

Aplicação: Não importa qual seja a situação, o fato é que quando estamos em meio a uma situação de sofrimento, de angústia e aflição, nos tornamos vulneráveis. E se não estivermos alicerçados na fé, é exatamente nesses momentos que Satanás entra em ação para aniquilar com nossas forças. Talvez por isso que Paulo se refere ao “mensageiro de Satanás”, enviado para esbofeteá-lo, ou seja, tripudiando de seu sofrimento.

Quantas vezes oramos e não recebemos a resposta de Deus, e nestes momentos alguém pode dizer “onde está o teu Deus?” Este é o argumento de Satanás, dizer que não vale a pena orar porque as coisas continuam da mesma forma. Mas a bíblia nos ensina que é justamente por meio do sofrimento que nós nos achegamos a Deus e por isso, nem sempre Ele vai retirar o espinho que nos incomoda, mas vai nos ajudar a suportar a dor para que o nosso espírito se fortaleça.

II - Paulo Recorre à Oração

“...acerca do qual três vezes orei ao SENHOR, para que se desviasse de mim” (v 8)

Paulo diz que buscava em Deus o alívio para o seu sofrimento, que orava e pedia que lhe fosse tirado o espinho que lhe incomodava. Mas nem sempre as nossas orações são respondidas segundo as nossas petições. Esta é, exatamente, a situação descrita acima, se Deus não responde, não é porque está alheio a nossa situação e sim, porque, certamente, há um propósito mais elevado para que a situação não seja revertida. Não sabemos pedir como convém, por isso o Espírito Santo intercede em nosso favor com gemidos inexprimíveis (Rm 8.26,27). 

Quando Deus não muda as circunstâncias que nos aflige é porque está usando essas mesmas circunstâncias para moldar o nosso caráter a fim de que venhamos a atingir “a estatura de varão perfeito” (Ef 4.11,14), ou seja, atingirmos a maturidade espiritual que é necessária a todo crente. Portanto, o sofrimento é um lapidador do nosso caráter cristão. Por isso o profeta Isaías disse que os planos de Deus são mais altos que os nossos (Is 55.8,9). O fato é que, quando Ele permite uma situação, é porque dessa situação, há de vir algo muito melhor. Deus trabalha a nosso favor sempre,  e “tudo contribui para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito” (Rm 8.28).

III - A Graça de Deus

A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza...” (v 9a).

Portanto, nem sempre Deus vai nos livrar de situações de sofrimento e o próprio Jesus nos alertou quanto a isso dizendo que no mundo teríamos aflições, contudo, não deveríamos perder o ânimo (Jo 16.33). No caso de Paulo, Ele acrescenta a esse fato, que a sua grata nos basta porque é por meio dessa graça que suportamos todas as adversidades sem perdermos a fé. Para o mundo isso parece loucura porque eles não entendem o motivo de servirmos a Deus mesmo diante da dor, da enfermidade, da situação financeira precária, muitas vezes.

Pela lógica, nenhum de nós merece nenhum favor de Deus pois que todos somos pecadores, no entanto, por nos amar tanto, Ele nos concede favores e isso é graça. Por meio dessa graça Ele nos socorre em nossas fraquezas, nos ajuda, nos dá força para suportarmos as aflições. Quando Deus permite uma situação de sofrimento em nossas vidas é para que tenhamos mais experiência com Ele na oração, para que venhamos a nos lançar em seus braços em total dependência, assim como o faz uma criança com seu pai.  É em meio às nossas fraquezas que Deus manifesta o seu poder e a sua força e seu nome é glorificado.

Aplicação: É essa graça que nos fortalece e que nos impulsiona a permanecermos firmes, mesmo quando as situações são adversas e parece que não vamos conseguir vencê-las. Ao buscarmos em Deus o socorro, através das orações, nem sempre Ele vai retirar o problema, mas certamente, vai nos restaurar o vigor e nos colocar em posição de combate para possamos vencer os “gigantes” que se levantam contra nossas vidas e vai nos dar estratégias para que possamos vencer todas as lutas e estreitarmos o nosso relacionamento com Ele.

IV - O Sofrimento nos Aperfeiçoa

“..De boa vontade pois, me gloriarei nas minhas fraquezas para que em mim habite o poder de Cristo” (v 9b).

Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo” (v 10)

As palavras de Paulo indicam uma maturidade espiritual muito grande a ponto de suportar tudo por amor a Cristo e dizer “já não vivo eu, mas Cristo vive em mim” (Gl 2.20). Ele entendia que quanto mais as suas forças eram aniquiladas, mais o poder de Deus se manifestava em sua vida e por esta razão disse: “quando estou fraco, então sou forte” (v10b).

Parece um paradoxo esta frase, mas Paulo compreendeu que o sofrimento o levava mais perto de Deus e nEle ele encontrava forças para suportar todas as aflições. Quando ele diz que “sentia prazer nas fraquezas, nas injúrias...” (v 10ª) é porque ele entendia que assim como o atleta esgota todas as suas forças na tentativa de aperfeiçoar a sua performance física e se alegra com o resultado, assim também o crente, mesmo na exaustão deve se alegrar por vencer os próprios limites em busca do aperfeiçoamento que o conduzirá a receber o galardão eterno.

O apóstolo Tiago também teve este mesmo entendimento quando disse: “Meus irmãos, tende por motivo de toda alegria o passardes por várias provações, sabendo que a provação da vossa fé, uma vez confirmada, produz perseverança. Ora, a perseverança deve ter ação completa para que sejais perfeitos e íntegros, em nada deficientes” (Tg 1.2-4). Sejamos portanto, em tudo perseverantes na fé em Cristo Jesus.

Conclusão


Não é fácil lidarmos com o sofrimento e muito menos nos alegrarmos com ele. Contudo, se compreendermos que este é o mecanismo que Deus utiliza para nos curar a alma, se é necessário esse remédio amargo para nos curar as feridas, então, que possamos dizer como Jesus o disse: “Pai, se puderes, afasta este cálice, mas que não seja conforme a minha vontade, mas como tu queres” (Lc 22.42). 

Que possamos compreender qual seja a “boa, perfeita e agradável vontade de Deus” (Rm 12.2b).  Pela ótica de Paulo compreendemos que o sofrimento é um mecanismo que nos aperfeiçoa e nos leva mais perto de Deus. 

Assim sendo, sejamos firmes e prossigamos para o alvo, porque como Paulo mesmo declarou: "tenho por certo que as aflições deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há de ser revelada" (Rm8.18). 

Vale a pena ser fiel. Que Deus nos abençoe ricamente.


domingo, 4 de outubro de 2015

Renovação Espiritual

Mas aqueles que esperam no SENHOR renovam suas forças. Voam alto como águias; correm e não se fatigam, caminham e não se cansam” (Isaias 40.31)

Introdução

A mensagem de Deus para refletirmos neste texto é de renovação. A todo tempo, nós precisamos do renovo de Deus para prosseguirmos em nossas lutas. A palavra renovação significa recomeçar, refazer ou tornar novo. As lutas, as tribulações tem sido a causa de muitos enfraquecerem na fé e até mesmo deixarem a de caminhar com Cristo. Mas depois que você ler este texto, certamente irá compreender muita coisa, sobretudo, que o Deus que você serve, nunca se esquece de você, que se preocupa com cada detalhe de sua vida e como o profeta diz, é nEle que as nossas forças se renovam a cada dia.

Exemplo da águia

O profeta Isaías faz menção à águia porque é uma ave incomparável. A águia é uma ave que chega a viver até 70 anos, mas para chegar a essa idade, ela tem de tomar uma séria e difícil decisão, por volta dos 40 anos. Nessa idade, ela estará com as unhas compridas e flexíveis, não conseguindo mais caçar suas presas para se alimentar; seu bico alongado e pontiagudo já está curvo; suas asas estão apontando contra o peito, uma tarefa difícil.

Tempo de Espera - Então a águia só tem duas alternativas: morrer... ou enfrentar um dolorido processo de renovação que irá durar 150 dias, ou seja, 5 meses.
Esse processo consiste em voar para o alto de uma montanha e recolher-se em um ninho próximo a um paredão, onde ela não necessite voar. Após encontrar esse lugar, a águia começa a bater com o bico contra a rocha até conseguir arranca-lo. Depois espera nascer um novo bico, com o qual vai arrancar as suas unhas. Quando as novas unhas começam a nascer, ela passa a arrancar as velhas penas. Somente depois de 5 meses ele sai para o seu famoso voo da renovação. Poderá então, viver mais 30 anos.

Aplicação: Nós, assim como a águia, precisamos muitas vezes tomarmos algumas decisões difíceis, mas necessárias para que haja renovação em nossas vidas. Precisamos nos esforçar ao máximo a fim de nos desprendemos de coisas que impedem que tenhamos uma vida saudável e produtiva na obra de Deus. Só então, alçaremos voos altos que permitirão olhar para os problemas de uma forma diferente.

O Profeta Isaías nos Revela quem é o nosso Deus

Neste texto, o profeta Isaías está se dirigindo ao povo de Deus, que, pela lógica, deveria saber quem era o Deus a quem eles serviam, mas parece que já haviam se esquecido porque estavam se sentindo abandonados e entregues à própria sorte. Nós hoje somos o povo de Deus, e muitas vezes, por desconhecimento de quem é o nosso Deus, também agimos de forma semelhante. Olhamos para os problemas e nos amedrontamos e nos esquecemos da grandeza do nosso Deus. Como resposta às indagações do povo, Ele se revela, dá-se a conhecer e pela boca do profeta começa a refrescar a memória do seu povo, fazendo menção da sua soberania e de sua grandeza porque a fé vem pelo ouvir a Palavra de Deus (Rm 10.17) e aquele povo estava perecendo por falta de conhecimento (Os 4.6).  

Manifestação da Grandeza de Deus na Criação

O profeta retrata Deus em relação a tudo o que Ele criou, evidenciando o seu poder, a sua grandeza, a sua majestade e soberania. Ele diz diz que o nosso Deus é aquele que mediu as águas dos oceanos e dos mares nas conchas de suas mãos. É o Deus que pesou o pó da terra em balança de precisão.

V 12Quem mediu com o seu punho as águas e tomou a medida dos céus ao palmos e recolheu em uma medida o pó da terra e pesou os montes e os outeiros em balanças?

O Deus que conhece as estrelas pelo nome

Deus é aquele que faz sair o seu exército de estrelas bem contadas e por ser forte em força e grande em poder, quando as chama, nenhuma delas vem a faltar. Deus desenrola o céu como uma cortina. Deus não apenas criou as estrelas, como também as conhece pelo seu nome. Deus é um Deus pessoal que tem cuidado com a sua criação.

V 26 “Levantai ao alto os olhos e vede quem criou estas coisas, quem produz por conta o seu exército, quem a todas chama pelo seu nome; por causa da grandeza das suas forças e pela fortaleza do seu poder, nenhuma faltará”.

Aplicação:  Deus criou o universo e criou você à sua imagem e semelhança, portanto, você não precisa temer quando a sua vida está refugiada nEle.

Grandeza do Saber de  Deus
Deus responde às queixas de seu povo, fazendo alguns questionamentos, porque parece que eles não estavam sabendo com quem estavam falando. A impressão que dá é que eles pensavam que Deus não estava a par dos acontecimentos que tanto os afligia, de forma que o estavam subestimando.

V 13  “Quem guiou o Espírito do SENHOR? E que conselheiro o ensinou”?

V 14  “Com quem tomou conselho, para que lhe desse entendimento e lhe mostrasse as veredas do juízo, e lhe ensinasse sabedoria  e lhe fizesse notório o caminho da ciência?”

O que Isaías está nos mostrando é que nEle reside a fonte de todo o conhecimento e de toda ciência. Todas as coisas foram feitas por Ele. Ele detém o controle sobre a criação. O profeta levanta alguns questionamentos a fim de mostrar que o conhecimento de Deus não é algo adquirido, mas é a própria essência de Deus. Deus não precisa de conselhos de ninguém para agir, porque Ele sabe o que deve ou não fazer e o momento certo para agir. Em outro texto o profeta Isaías diz que os nossos pensamentos não são os dele e seus planos são mais altos do que os nossos (Is 55 8,9), portanto, não temos condições de questioná-lo.

Deus é perfeito. Quando Ele opera, não considera apenas questões individuais, mas também as coletivas. Quando Jó questionou Deus dos porquês de seu sofrimento, à princípio Deus não respondeu, mas em outro momento, revelou-se a ele em sua Majestade, em meio à criação, dando-se a conhecer tal como o é, na verdade (Jó 38). Jó compreendeu que na verdade, não sabia o que estava dizendo por total falta de conhecimento acerca do poder de Deus. Mas a partir dessa experiência real com o SENHOR, ele  confessou: “antes eu o conhecia apenas de ouvir falar, mas agora meus olhos o veem (Jó 42.5).

Aplicação: Muitas vezes, por desconhecimento de quem é Deus, nós  agimos da mesma forma. Enfraquecemos na fé porque passamos a dar mais importância para os nossos problemas do que para o nosso Deus. Deus é soberano e nada há que esteja fora do seu controle. O que acontece conosco, assim como na vida de Jó, é permissão de Deus. O inimigo só pode nos tocar se Deus assim o permitir. E por qual motivo Ele age dessa forma? Para forjar a nossa fé, para nos dar experiência com Ele e para que possamos adquirir maturidade cristã.

Grandeza de Deus em Relação às Nações

A história nos mostra que em cada momento houve um Império que se levantou e por algum tempo dominou sobre os demais, mas todos eles ruíram, Babilônia, Medo-Persa, Greco-Macedônio, Romano, e outros também outras potências emergiram nos tempos pós modernos, mas também estas sucumbiram porque começaram a se envaidecer e atribuir a si mesmo suas vitórias e ao invés de ajudar o povo, ao contrário, passou a oprimi-los. O profeta Isaías evidencia que os poderosos diante de Deus não são nadas. Ele levanta, mas é Ele quem abate. Ele detém o controle da história da humanidades, Ele tem o  domínio sobre as nações. 

V 15 “Eis que as nações são consideradas por ele como a gota de um balde e como o pó miúdo das balanças; eis que lança por aí as ilhas como a uma coisa pequeníssima;

V 16 “Nem todo o Líbano basta para o fogo, nem os seus animais bastam para holocausto

V 17 “Todas as nações são como nada perante ele, ele considera-as menos do que nada e como uma coisa vã;

V 18 “A quem pois, fareis semelhante a Deus ou com o que o comparareis?

Quando paramos para pensar que por mais poderosas que sejam as nações e por mais despóticos que sejam seus governantes, na verdade, todos estão subordinados a Deus. Isaías diz que para Deus as nações são como um pingo d’água num balde, ou seja, nada. Não que elas não tenham valor em si mesmo, mas que, diante da sua majestade e soberania, elas são como um nada.  

A Majestade de Deus e a idolatria

Depois de se revelar ao povo dando-se a conhecer, Deus os repreende pela infidelidade, porque mesmo tendo conhecimento dos mandamentos de Deus, eles estavam construindo imagens de escultura para adorarem.   

V 19 O artífice grava a imagem e ourives a cobre de ouro e cadeias de prata funde para ela

V 20 O empobrecido, que não oferecer tanto, escolhe madeira que não se corrompe; artífice sábio busca para gravar uma imagem que se não pode mover.

V 21 Porventura não sabeis? Porventura não ouvis? Ou desde o princípio se vos não notificou isso mesmo? OU não atentastes para os fundamentos da terra?

Essência de Adorador: O homem em sua essência, sabe que nasceu para adorar a Deus (Ef 1.6), porém em sua rebeldia deseja viver conforme a sua vontade, mas sente que precisa ser um adorador, então ele busca constrói para si seus ídolos e se prostra diante deles, porque eles tem olhos mas não veem seus pecados, tem boca mas não os condena de seus erros. Tudo o que o homem quer é viver em paz em seus delitos sem ser acusado ou sentir culpa. Ele foge de Deus porque em Deus a verdade resplandece como a luz e evidencia o engano.

Ilustração da incoerência da idolatria: No capítulo 44 Isaías usa a seguinte ilustração para falar sobre a idolatria. Diz que certo dia um homem saiu com um machado na mão e foi para uma floresta e derrubou uma árvore, cerrou esta árvore e pegou uma tora  e fabricou uma imagem. A outra parte desta árvore ele rachou e colocou no fogo para queimar e fazer comida. A parte da tora que ele usou para fazer uma imagem ele colocou em um oratório, num altar e se prostrou diante dela e adorou esta imagem como se fosse seu Deus. Ou seja, da mesma árvore que ele construiu um ídolo, tirou madeira para fazer sua comida.  É totalmente ilógica a idolatria. O idólatra constrói ídolos e carrega-o sobre seus ombros enquanto Deus, nos carrega em seus braços. Um ídolo precisa ser criado, no entanto, Deus é o criador de todas as coisas.

Majestade de Deus em relação aos Príncipes da Terra

V 22 Ele é o que está assentado sobre o globo da terra, cujos moradores são para ele como gafanhotos: ele é o que estende os céus como cortina e os desenrola como tenda para neles habitar.

V 23 O que faz voltar ao nada os príncipes e torna coisa vã os juízes da terra.

O que o profeta está dizendo é que os grandes da terra não são nada comparados ao nosso Deus. Eles surgem e desaparecem. Mas o nosso Deus permanece assentado em um alto e sublime trono seu trono de glória e reina para todo o sempre. Ele tem o controle de todo o universo e tem nas mãos a história da humanidade.

Por isso surge a pergunta no v 25: “a quem pois, me fareis semelhante? – diz o Santo
O nosso Deus é incomparável

Aplicação da Mensagem:

O contexto da história nos diz que o povo estava reclamando de alguma coisa. E em suas queixas faziam duas acusações contra Deus, indiferença e injustiça:

a)    Primeira acusação: Indiferença: -  v 27 – “Por que, pois dizes ó Jacó, e tu falas, ó Israel: O meu caminho está encoberto ao SENHOR, e meu juízo passa de largo pelo meu Deus?

As vezes semelhantemente, estamos em alguma situação difícil e parece que Deus não está vendo, não está percebendo. Tudo parece contra nós e o chão parece se abrir num abismo profundo e nos rompemos em lágrimas e a dor bate forte no peito e então perguntamos também, Senhor, o Senhor não está vendo o que estou passando? Meus caminhos estão encobertos diante de ti? O Senhor não vai fazer nada? Por que o Senhor está indiferente? Era isso que passava pelos pensamentos daquele povo naquele momento

b)   Segunda acusação: injusto – v 27b “O meu juízo (direito) passa de largo pelo meu Deus”

Eles estão reclamando seus direitos que ao seu ver estavam sendo-lhes negado. Se você tem um direito e esse direito é negado a você, então está havendo uma injustiça. É disso que eles estavam se queixando. A questão é, que esse algo que eles achavam que tinham direito dizia respeito as promesas Deus.

Resposta de Deus às queixas de seu povos

V 28 “Não sabes, não ouvistes que o eterno Deus, o SENHOR, o Criador dos confins da terra, nem se cansa, nem se fatiga? Não há esquadrinhação do seu entendimento.

Deus não está tão ocupado a ponto de não se importar com você. Deus não está cansado e tampouco dormindo. Tudo está sob o seu controle. Até mesmo as tribulações que achamos que são situações fora de controle, muitas vezes, são situações permitidas por Deus para que possamos adquirir maturidade e crescimento espiritual.

Restauração das Forças

V 29 “Dá vigor ao cansado e multiplica as forças ao que não tem nenhum vigor.

Esse mesmo Deus que governa o universo e reina absoluto sobre as nações, é o Deus que se importa com você, particularmente. Quando você está fraco ele te faz forte. Ele restaura as nossas forças para continuarmos a luta até chegarmos onde temos que chegar.

V 30 Os jovens se cansarão e se fatigarão, e os jovens certamente cairão.

V 31 “Mas os que esperam no SENHOR renovarão as suas forças e subirão com asa como águias, correrão e não se cansarão; caminharão e não se fatigarão.

As promessas de Deus em sua vida vão se cumprir, não desanime. Assim como o SENHOR disse a Josué, levanta-te, pois, passa este Jordão, tu e este povo à terra que eu dou aos filhos de Israel; todo lugar que pisar a planta do vosso pé, vo-lo tenho dado, como eu disse a Moisés. (Js 1.2,3) .

Conclusão

A mensagem de Deus é clara:  “Descansa no SENHOR, e espera nEle (Sl 37.7a)”. Não fique ai prostrado diante de seu problema, se afligindo. Olhe para o Deus a quem você serve e descansa. O profeta Isaías em outro texto declara que Deus “ trabalha para aquele que nele espera” (Is 64.4b)  Ele não dorme, não vacila, cuida de cada detalhe da sua vida. Ele não te esqueceu. O apóstolo Paulo declara que “todas as coisas contribuem, juntamente, para o bem daqueles que o amam” (Rm 8.28).
Deus está te dizendo: pare de olhar para o tamanho do teu problema e olhe para mim, confie em mim porque eu ainda não dei a última palavra e não coloquei um ponto final na sua história, apenas uma vírgula. A sua vitória vai chegar porque o Deus que você serve tem promessas na sua vida e Ele vela pela sua palavra para que ela se cumpra. 

Jó e Paulo disseram, depois da experiência que tiveram com Deus:” eu sei em quem tenho crido”. 

E você? Sabe quem é o seu Deus?  Você o conhece?  Você confia nEle? 


Sonia Oliveira